06/09/2019

Saiba conferir se o valor da aposentadoria do INSS está correto!


Segurado por optar por uma revisão ou pela desistência do benefício concedido pelo INSS.

O trabalhador que se aposenta pelo INSS pode contestar o valor concedido e até desistir do benefício se considerar que é melhor seguir na ativa.

É comum que, após uma espera que pode chegar a meses, a aposentadoria sai, mas o valor não agrada e o segurado desconfia do cálculo. Antes de tomar qualquer decisão, é importante olhar com atenção a carta e concessão e se assegurar que não houve erro na análise feita pelo INSS.

Enquanto essa decisão não sai, o segurado não deve sacar nem o benefício, nem as outras verbas que são liberadas junto da aposentadoria, como saldo do FGTS. Quem ainda não sacou a grana da cota do PIS também recebe a guia de levantamento desses valores.

Esse cuidado garante ao segurado o direito de desistir do benefício. Isso pode ocorrer, por exemplo, se ele perceber que a aposentadoria concedida agora resultaria em um benefício muito baixo e, com isso, preferir seguir trabalhando por mais um tempo.

É bom ter em mente que, mesmo com uma reforma da Previdência avançando no Senado, como já completou as condições na regra atual, não será obrigado a cumprir a idade mínima.

Por outro lado, se a decisão for pela manutenção do pedido atual, a análise cuidadosa da carta de concessão dará ao segurado elementos para a apresentação do pedido de revisão, com o qual terá a chance de conseguir a correção da aposentadoria.

O número de meses de atividade utilizados no cálculo e cada um dos salários são as duas informações que devem ser olhadas com atenção. Esses passos simples podem ser a garantia de um aumento na aposentadoria em alguns meses.

O intervalo até o INSS concluir a revisão pode ser uma desvantagem, mas até lá o segurado não estará sem renda.

BENEFÍCIO CONCEDIDO - SERÁ QUE ESTÁ CERTO?

- Depois que a aposentadoria está concedida, o segurado pode discordar do cálculo;
- Se estiver desconfiado com o valor ou arrependido do pedido, deve tomar alguns cuidados.

Na dúvida, espere!

- A dica mais importante é: não saque o benefício nem as demais verbas da aposentadoria;
- Junto do benefício do INSS, o trabalhador aposentado consegue a liberação da grana do FGTS e, se ainda não fez a retirada, da cota do PIS.

Por onde começar?

- Observe a carta de concessão com atenção!
- Esse documento é enviado pelo INSS ao endereço do segurado;
- Também é possível acessá-lo no site Meu INSS.

O que vem nesse documento?

- A carta detalha o tipo de aposentadoria, o valor e em qual dia do mês o benefício será pago;
- Além disso, traz a lista de salários considerados no cálculo, o índice de correção e o valor corrigido;
- São assinalados os valores limitados ao teto, quando houve, e os que foram desconsiderados.

O que olhar?

- Observe primeiro se todos os meses estão lançados nessa relação;
- Compare com suas carteiras de trabalho e carnês de contribuição ao INSS.

Compare os valores e os meses!

- A investigação na carta de concessão será mais efetiva se o segurado tiver a papelada de seus períodos de trabalho;
- Ele deve observar se o valores dos salários são iguais aos que recebia na época;
- A única diferença possível é no caso de o valor ser superior ao teto.

O que entra e o que não entra?

- Somente as remunerações em reais entram no cálculo das aposentadorias;
- Os valores recebidos pelos segurados até junho de 1994 são desconsiderados;
- Esses períodos entram na contagem do tempo de contribuição, mas os salários, não.

Teto!

- Na carta de concessão, o INSS chama as remunerações de salários de contribuição;
- No caso dos salários altos, eles não entram integralmente no cálculo, pois são limitados ao teto.

O que fazer?

- O segurado tem duas ações possíveis, ambas com vantagens e desvantagens:

Sacar o benefício?

- Com isso, o segurado confirma a aposentadoria;
- Para corrigir os erros do INSS, ele deve entrar com um pedido de revisão.

Vantagem:

- Ele já começa a receber o benefício;
- Também pode sacar a grana do Fundo de Garantia e poderá usar esse dinheiro para dívidas ou para uma reserva para emergências.

Desvantagem:

- Os pedidos de revisão são demorados;
- Pode levar mais de um ano até o INSS concluir a análise e responder.

Pedido de revisão:

- Se decidir sacar a aposentadoria e pedir a revisão, reúna toda a papelada que comprove o erro do INSS;
- Quanto mais bem explicado o pedido, maiores as chances de a revisão ser aprovada pelo INSS;
- Se o resultado demorar, mas a revisão sair, o segurado receberá as diferenças retroativas com correção.

Desistir da aposentadoria:

- O segurado não sacar os valores e encaminha ao INSS uma declaração de desistência.

Vantagem:

- Se o trabalhador segue na ativa, é uma oportunidade de melhorar a média salarial;
- Ele também pode tirar esse tempo para se organizar até pendurar as chuteiras.

Desvantagem:

- O segurado ficará sem o benefício previdenciário;
- Se estiver desempregado, por exemplo, estará sem renda.

Fonte: Agora


Compartilhe: