27/09/2019

Cinquentões levarão mais tempo para se aposentar após reforma!


Quem está na ativa terá cinco regras de transição para escapar das novas idades mínimas do INSS.

Os trabalhadores na faixa dos 50 anos são os principais afetados pelas mudanças de regras para aposentadoria previstas na reforma da Previdência.

Em geral, esses trabalhadores já estão na ativa há alguns anos, mas ainda precisariam de um tempo para completar os requisitos atuais. Com as modificações, precisarão, em alguns casos, do dobro do tempo de contribuição em relação ao que seria necessário atualmente.

Simulações feitas pelo Agora demonstram que os homens serão obrigados a cumprir a nova idade mínima, de 65 anos, na maior parte das vezes, se tiverem menos de 30 anos de contribuição na data em que a reforma entrar em vigor.

O trabalhador mais jovem nessa faixa - com 52 anos, por exemplo - tem mais chance de cair em uma regra de transição antes da nova idade mínima, do que outro com 55 anos.

Isso ocorre por uma combinação de fatores. Os mais jovens, próximos de 50 anos "redondos" estão muito distantes da nova idade.

Já os mais velhos, com 54, 55 e 56 anos, quando têm menos de 30 anos de contribuição, precisam cumprir muitos requisitos para chegar a uma das regras de transição, o que acabará levando-os à nova idade mínima.

As mulheres nessa faixa também serão levadas a idade mínima, mas, em muitos casos, não precisarão trabalhar por mais tempo.

A contagem de contribuições acabará sendo a mesma necessária na regra atual. Uma trabalhadora com 54 anos de idade e 24 de contribuição hoje poderia se aposentar em 2025, quando tivesse os 30 anos mínimos.

Essa previsão não muda com a reforma. No ano em que completa o tempo mínimo de contribuição, essa segurada terá 60 anos. Em 2025, a idade mínima na regra de transição será de 59 anos para as mulheres.

BENEFÍCIO APÓS A REFORMA - SITUAÇÃO DO TRABALHADOR NA FAIXA DOS 50:

Veja a comparação das regras:

HOMENS: quem cairá na idade mínima. A maioria dos segurados com menos de 30 anos de contribuição atualmente. Quanto menor o tempo de contribuição, maiores as chances de isso acontecer.

Os homens com 26 a 28 anos de contribuição só vão conseguir escapar da idade mínima em algumas situações:

- Aos 50 anos de idade, conseguirão a aposentadoria entre um ano e meio e seis meses antes da idade mínima;
- Aos 51 anos, conseguirão antecipar de seis meses a um ano se tiverem 27 ou 28 anos de contribuição.

Confira os exemplos:

a) Um trabalhador com 50 anos de idade e 25 anos de contribuição. 
Quanto tempo trabalharia para se aposentar na regra atual: 10 anos.
Ele poderia se aposentar ao completar 35 anos de contribuição.

Quanto tempo ele vai trabalhar na regra nova: 15.
Ele só poderá se aposentar quando completar a nova idade mínima.

b) Um trabalhador com 55 anos de idade e 30 anos de contribuição.
Quanto tempo trabalharia para se aposentar na regra atual: 5 anos.
Ele poderia se aposentar ao completar 35 anos de contribuição.

Quanto tempo ele vai trabalhar na regra nova: 10 anos.
Ele só poderá se aposentar quando completar a nova idade mínima.

c) Um trabalhador com 52 anos de idade e 32 anos de contribuição.
Quanto tempo trabalharia para se aposentar na regra atual: 3 anos.
Ele poderia se aposentar ao completar 35 anos de contribuição.

d) Um trabalhador com 58 anos de idade e 32 anos de contribuição.
Quanto tempo trabalharia para se aposentar na regra atual: 3 anos.
Ele poderia se aposentar ao completar 35 anos de contribuição.

Quanto tempo ele vai trabalhar na regra nova: 6 anos.
Ele só poderá se aposentar quando completar 64 anos de idade, pois terá cumprido também o pedágio que exige o dobro do tempo de contribuição que faltava neste ano ou a regra de pontos.

A partir dos 33 anos de contribuição: independentemente da idade do trabalhador, ele entrará na regra de transição com pedágio de 50%.

Como funciona: esse trabalhador ainda precisa de dois anos de contribuição para chegar ao tempo mínimo da aposentadoria por tempo de contribuição. O cálculo do pedágio será feito assim:

2 anos - tempo que falta para os requisitos mínimos na regra atual
+
1 ano - 50% do tempo que falta, que ele precisará pagar a mais por conta da reforma.

O trabalhador vai se aposentar quando completar 36 anos de contribuição.

MULHERES: no caso das mulheres, também é grande o número de perfis que cairão na idade mínima. Elas têm, no entanto, mais chances de chegar antes em alguma regra de transição.

Confira os exemplos:
a) Uma trabalhadora com 50 anos de idade e 24 anos de contribuição.
Quanto tempo ela trabalharia para se aposentar na regra atual: 6 anos.
Ela se aposentaria ao completar os 30 anos de contribuição.

Quanto tempo ele vai trabalhar na regra nova: 12 anos.
Ela completará a nova idade mínima no mesmo ano em que atingirá a regra de pontos e o pedágio que exige o dobro do tempo de contribuição que falta neste ano.

b) Uma trabalhadora com 54 anos de idade e 26 anos de contribuição.
Quanto tempo ela trabalharia para se aposentar na regra atual: 4 anos.
Quanto tempo ela vai trabalhar na regra nova: 4 anos.

No mesmo ano em que completa o tempo mínimo de contribuição, essa segurada cumpre também a idade mínima da transição da reforma. No caso dela, o que muda é o cálculo da aposentadoria. Na regra atual, ela receberia 100% da média dos maiores salários. Na regra nova, receberá 90% da média de todos os salários.

c) Uma trabalhadora com 52 anos de idade e 27 anos de contribuição.
Quanto tempo ela trabalharia para se aposentar na regra atual: 3 anos.
Ela se aposentaria quando completasse 30 anos de contribuição.

Quanto tempo ela vai trabalhar na regra nova: 7 anos.
Ela poderá se aposentar aos 59 anos, quando completar a regra de pontos prevista para 2026.

A partir dos 28 anos de contribuição: essas trabalhadoras cairão na regra de transição com o pedágio de 50% do tempo que falta.

Como funciona: a segurada tem 54 anos de idade e 29 anos de contribuição na data em que a reforma começa a valer. Para se aposentar antes da idade mínima de 62 anos, ela terá que contribuir com um tempo extra em relação ao que falta.

Vai ser: 
1 ano - tempo que falta para os requisitos mínimos na regra atual.
+
6 meses - 50% do tempo que faltava.

A aposentadoria será concedida quando ela tiver 30 anos e seis meses de contribuição. Ela terá 55 anos e seis meses quando a aposentadoria sair. Esse benefício será calculado com o fator previdenciário.

Confira as novas regras previstas na reforma da Previdência.

1) Pontos: soma da idade com o tempo de contribuição.
86 (mulheres) e 96 (homens)
+ tempo mínimo de contribuição atual:
30 anos (mulheres) e 35 (homens)
Em 2020, passa a ser 87/97 e aumenta um ponto por ano.

2) Pedágio de 50%: só entra quem tiver, no tempo de contribuição, a partir de:
28 anos (mulheres) e 33 anos (homens)
É necessário contribuir por mais 50% do tempo que estiver faltando.

3) Pedágio de 100%: a aposentadoria será concedida para quem tiver:
57 anos (mulheres) e 60 anos (homens)
Também é necessário contribuir com o dobro do período que estiver faltando para o tempo mínimo de contribuição.

4) Idade mínima: só entra quem tiver: 56 anos (mulheres) e 61 (homens)
+ tempo mínimo de contribuição atual: 30 anos (mulheres) e 35 (homens)
A idade subirá seis meses por ano.

5) Aposentadoria por idade: consegue quem completar 15 anos de contribuição.
Além disso, é preciso ter 60 anos (mulheres) e 65 (homens)
A idade das mulheres subirá seis meses por ano até chegar a 62.

Fonte: Agora.


Compartilhe: