15/10/2019

Confira o que muda para quem planeja se aposentar por idade!


Reforma da Previdência reduzirá renda e acabará com o benefício por tempo de contribuição.

O benefício pago a segurados mais velhos e com menos tempo de contribuição também será alterado na reforma da Previdência. Os requisitos de idade mínima e tempo de contribuição mudarão pouco na comparação com a regra atual da aposentadoria por idade.

As mulheres precisarão, a partir de janeiro do ano que vem, de seis meses a mais de idade para garantir a aposentadoria no INSS. A idade mínima para elas subirá seis meses por ano até chegar aos 62 anos, a nova exigência para mulheres.

O impacto mais importante nesse benefício será a mudança no cálculo, que terá duas inovações a partir da aprovação da reforma da Previdência, atualmente no Senado. A primeira modificação é a da média salarial.

O INSS define esse valor-base para as aposentadorias com as 80% maiores remunerações em reais. Isso retira do cálculo 20% dos valores menores. A nova média não terá descarte e todos os salários entrarão na conta.

A outra mudança tem a ver com o tempo de contribuição. O cálculo atual parte de 70% da média salarial mais um acréscimo de 1% para cada ano de contribuição. Com isso, quem se aposenta com 15 anos de pagamentos ao INSS recebe 85% de sua média salarial.

O cálculo da reforma prevê que o segurado vai receber, inicialmente, 60% da média salarial. Haverá acréscimo de 2% a cada ano extra, mas a aplicação será diferente para homens e mulheres. Para as trabalhadoras, o aumento na média começará no 16º ano de contribuição.

Portanto, uma mulher com 18 anos de trabalho com recolhimentos ao INSS receberá o equivalente a 66% da média salarial.

No caso dos homens, esse acréscimo só ocorrerá para o tempo de contribuição que ultrapassar 20 anos. Eles ainda poderão pedir a aposentadoria com 15 anos de INSS, mas o aumento levará mais tempo.

Mesmo com a reforma, ainda seguirá valendo a regra de transição que permite a aposentadoria com menos tempo de contribuição para segurados que já eram filiados ao INSS em 24 de julho de 1991 e completaram a idade mínima de 60 anos, no caso das mulheres, e de 65, os homens, antes de 2011. No INSS, esse pedido é o benefício por idade com carência reduzida.

NOVAS REGRAS NO INSS - BENEFÍCIO PARA SESSENTÕES

As exigências para ter a aposentadoria por idade no INSS vão mudar após a reforma. A modificação maior será no cálculo dessa aposentadoria. Enquanto a tramitação da reforma não termina, as regras seguem as mesmas.

REGRAS ATUAIS

Quem consegue a aposentadoria por idade hoje?

Idade mínima:
- Mulheres: 60 anos;
- Homens: 65 anos.

Tempo de contribuição:
- 15 anos;
- Essa exigência é igual para mulheres e homens.

CARÊNCIA REDUZIDA

Em alguns casos, é possível se aposentar por idade tendo contribuído por menos de 15 anos. Essa contagem reduzida vale apenas para quem começou a contribuir até 24 de julho de 1991.

Confira a tabela da carência, que é o tempo mínimo de contribuição recolhida.

COMO FICARÁ QUANDO A REFORMA FOR APROVADA?

Idade mínima:
- Mulheres: 62 anos;
- Homens: 65 anos.

Tempo de contribuição:
- 15 anos;
- Para mulheres e homens;
- No caso dos homens, a exigência vale para quem já tem filiação ao INSS na data em que a reforma começar a valer.

Haverá regra de transição 

A idade mínima das mulheres subirá seis meses por ano, a partir de 2020.

CÁLCULO

Apesar das regras de acesso mudarem pouco nesse benefício, o valor das aposentadorias por idade concedidas a partir da reforma cairá bastante.

REGRA ATUAL

O cálculo atual da aposentadoria por idade considera duas etapas:

1. A média salarial é definida com os 80% maiores salários desde julho de 1994;
2. São identificados quanto anos completos de contribuição o segurado tem.

O INSS paga:

- 70% da média salarial + 1% para cada ano de contribuição.

APÓS A REFORMA

O novo cálculo vai considerar as seguintes etapas:

1. A média salarial é definida com 100% dos salários desde julho de 1994. Esse cálculo tende a reduzir a média, pois incluirá salários menores, como os de início de carreira;

2. São identificados quantos anos completos de contribuição o segurado tem que ultrapasse:
15 anos de contribuição, no caso das mulheres;
20 anos de contribuição, para os homens.

O INSS pagará:

- 60% da média salarial + 2% para cada ano de contribuição além de 15 anos (mulheres) e 20 anos (homens).

Compare os dois cálculos

1. Mulher com 18 anos de contribuição e média salarial de R$ 1.600

Cálculo atual: o benefício será de R$ 1.408

Novo cálculo: o valor da aposentadoria será R$ 1.056

2. Homem com 18 anos de contribuição e média salarial de R$ 1.600

Cálculo atual: o trabalhador ganhará R$ 1.408 do INSS;

Novo cálculo: a aposentadoria concedida após a reforma será igual ao piso, de R$ 998.

3. Um homem ou uma mulher que tiver o tempo mínimo de 15 anos de contribuição e média salarial de R$ 2.000

Cálculo atual: o benefício será de 85% da média salarial. Nesse caso, de R$ 1.700

Novo cálculo: a aposentadoria passará a ser calculada com 60% da média salarial e cairá para R$ 1.200.

Entenda a diferença: a reforma prevê que a média salarial da mulher começará a aumentar a partir do 16º ano de contribuição. Para o homem, o acréscimo só ocorrerá a partir do 21º ano. O homem que tiver de 16 a 20 anos terá o mesmo cálculo, de 60% da média salarial.

Fonte: Agora


Compartilhe: