19/03/2020

Como saber qual aposentadoria é mais vantajosa? Entenda


No Pode Perguntar de quarta-feira (11), foi abordado o caminho que o trabalhador tem que seguir para descobrir quanto tempo já contribuiu e quando vai se aposentar. Inclusive de que deve fazer uma simulação da renda média dos salários de contribuição.

Mas como o contribuinte pode saber qual é o benefício mais vantajoso? Há duas regras de ouro.

O site do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) aponta quando o trabalhador vai se aposentar, mas não mostra todas as regras que existem.

Nem sempre a primeira é a mais vantajosa. Então, a primeira regra de ouro é não aceitar a sugestão do INSS sem antes conhecer a segunda regra de ouro.

A segunda regra de ouro é que existem cinco possibilidades de aposentadoria: com direito adquirido e quatro regras de transição. O valor de uma será maior que o valor da outra por que as fórmulas para calcular cada uma delas são diferentes.

Para escolher a melhor aposentadoria é preciso definir quando (data) terá direito a cada uma delas. Muita gente pode se confundir na hora de fazer este cálculo.


HomensMulheresFórmula / Cálculo
Direito Adquirido35 anos - sem idade mínima30 anos - sem idade mínima100% da média salarial, com exclusão das 20% menores contribuições. Fator Previdenciário.
Pedágio 50%35 anos - sem idade mínima
30 anos - sem idade mínima
100% média salarial, com exclusão 20% das menores contribuições. Fator previdenciário*.
Pedágio 100%
35 anos - 60 anos de idade
30 anos - 57 anos de idade
100% média salarial, sem exclusão 20% das menores contribuições.
Pontos
35 anos // 2020 = 97 pontos // 2028 = 105 pontos30 anos // 2020 = 87 pontos // 2033 = 100 pontos
60% média salarial, sem exclusão 20% das menores contribuições + 2% por ano trabalhado além dos 15 (mulher) ou 20 (homem)
Tempo + idade
35 anos // 2020 = 61,5 anos // 2028 = 65 anos
30 anos // 2020 = 56,6 anos // 2031 = 62 anos
60% média salarial, sem exclusão 20% das menores contribuições + 2% por ano trabalhado além dos 15 (mulher) ou 20 (homem)

Cinco possibilidades e três formas de cálculo

Na regra do direito adquirido, que se aplica para quem completou o tempo de aposentadoria antes de 15/11/2019, e na regra de 50% de pedágio do tempo que faltava para se aposentar nesta mesma data, a apuração da média salarial permite excluir 20% dos menores salários. Pode ter ou não a aplicação do fator previdenciário. Isso varia de caso a caso.

Na regra de pedágio de 100% não é permitido excluir os menores salários e o valor do benefício será igual ao valor da média (integral), mas o homem terá que ter 60 anos de idade e a mulher 57.

Nas outras duas regras, de pontos e de tempo de contribuição com idade mínima, o valor do benefício será calculado com base em 60% da média salarial sem exclusão dos menores salários, com acréscimo de 2% por ano que superar 15 anos de contribuição para mulheres e 20 anos de contribuição para os homens.

Agora ou depois?

Depois de saber quando vai se aposentar e o valor de cada uma das hipóteses de benefício, o trabalhador tem que definir se vale a pena esperar ou aceitar o benefício mais próximo com valor menor.

Deve ser feita a avaliação de quanto o segurado terá que contribuir e quanto ele vai deixar de receber entre a data do benefício mais próximo e o de maior valor. Aí é só ver qual é a situação que compensa mais.

Quando o processo é montado corretamente, com todos os documentos e com a decisão sobre a escolha do benefício pretendido, a chance de a aposentadoria sair mais rápido é maior porque facilita o servidor da Previdência na hora da análise.

Fonte: G1



Compartilhe: