22/11/2018

Golpistas miram dinheiro de aposentados e fazem cada vez mais vítimas


Aposentados e pensionistas estão se tornando alvos de golpistas. Numa das ações, um idoso teve a conta para depósito do benefício transferida de banco e até de cidade. Foi o que aconteceu com o Antônio Natalino Vieira, de 66 anos. Ele levou um susto quando recebeu em casa uma carta do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

O comunicado informava que o benefício deixaria de ser pago no Bradesco de Guarujá e seria feito pela Caixa Econômica Federal, em São Paulo. “Isso aconteceu na véspera de Finados. Corri no INSS, porque fiquei com receio de, depois do feriado, o dinheiro ser depositado e alguém sacá-lo, já que eu não pedi a transferência”.

No posto, Antônio conseguiu reverter a situação. Ele também registrou um boletim de ocorrência na Delegacia Sede de Guarujá. “Tem de alertar as pessoas. Na delegacia, me disseram que havia mais casos desse tipo”.

Resposta

O INSS não admitiu o golpe, disse que o problema foi uma falha bancária. “Essa transferência ocorreu por erro de digitação por parte do banco, porque outro beneficiário do INSS, com dados com numeração parecida, pediu a transferência bancária”.

Ainda segundo o INSS, segurados só conseguem trocar o benefício de banco com solicitação em agência da Previdência ou da instituição financeira, apresentando documentos pessoais.

A Reportagem entrou em contato com o Bradesco, mas não houve retorno.

Outras fraudes

O rol de fraudes aumenta a cada dia. No último dia 7, A Tribuna publicou denúncia de que criminosos estavam aplicando golpes contra servidores públicos inativos.

Eles enviam cartas falando sobre direito a reaver contribuições previdenciárias pagas de forma indevida. Os atrasados chegariam até a R$ 40 mil. Em outras situações, o modo de atuação também é parecido (veja abaixo).

Vulneráveis

“Eles sempre abordam idosos que são vulneráveis, é preciso ficar atento. Não é usual que advogados peçam valores para entrar antecipadamente com ações, então, nunca deposite grana com a promessa de ganhar uma revisão”, avisa o presidente da Comissão de Segurança Pública da OAB-Santos, Elton dos Anjos.

E atenção: procure a ouvidoria do INSS e registre um BO, caso desconfie de algo. “Nunca forneça dados bancários ou de benefício por telefone a desconhecidos. Desconfie sempre!”

Fique atento aos golpes mais conhecidos, de acordo com a Previdência e especialistas:

>>Golpe dos funcionários da Previdência

Nesse golpe, os criminosos entram em contato, por telefone, com segurados e se identificam como integrantes do Conselho Nacional de Previdência (CNP) oferecendo algum tipo de benefício. Afirmam que o aposentado ou pensionista teria direito a receber valores atrasados, geralmente, grandes quantias de dinheiro, e pedem que entrem em contato com eles por meio de um número de telefone.

Quando o cidadão faz a ligação, os fraudadores pedem ao segurado que informem dados pessoais e solicitam o depósito de determinada quantia em uma conta bancária para liberar um pagamento que não existe.

>> Golpe das falsas associações

Nesse caso, criam uma associação com o objetivo de ajudar aposentados e pensionistas a conseguir direitos como revisão de benefícios. Compram listas com informações dos segurados do INSS, como número de benefício, endereço e valores das aposentadorias.

Daí, enviam cartas falando sobre esses direitos, com cáculos de quanto essas pessoas deveriam receber, além de prometem rever a situação. São valores altos, em muitos casos, e afirmam que o direito é certo. Mas, para receber, cobram taxas ou obrigam o aposentado a se associar.

>> Golpe do empréstimo consignado

Aposentados recebem ligações de falsos atendentes de telemarketing oferecendo crédito consignado. Nesse momento, aproveitam para pegar os dados dos segurados e fazer empréstimos e até saque em suas contas.

Eles também se aproveitam de listas com dados de segurados – que ninguém sabe de onde essas informações partem – e contratam empréstimos em nomes deles. O aposentado só percebe o golpe quando o benefício dele vem diminuído.

>> Golpe do recadastramento

O golpe do recadastramento também é comum. Pessoas que se passam por funcionários do INSS visitam as residências dos aposentados para pegar dados como número da senha e conta bancária sob a alegação de que precisa ser feito recadastramento.

Vale lembrar que a Previdência está convocando para a prova de vida, que é um tipo de recadastramento, mas o segurado deve ir, exclusivamente, ao banco onde recebe o benefício pra atualizar seus dados.

>> Golpe da Carta da Receita Federal

Bandidos estão aproveitando a convocação da Receita Federal informando contribuintes que estão na malha fina pra aplicar mais um golpe na praça. Eles enviam correspondência pra casa de segurados com falsa intimação pra que façam a atualização dos seus dados por meio de um telefone indicado ou por e-mail. Dessa forma, capturam as informações de aposentados e pensionistas.

>> Golpe do servidor público

Servidores inativos estão recebendo cartas avisando sobre o direito a reaver contribuições previdenciárias pagas de forma indevida pelo trabalhador. Os atrasados podem chegar até a R$ 40 mil. Para reaver a bolada, é preciso pagar uma taxa de R$ 893. A correspondência é enviada em nome da Secretaria Nacional Previdenciária dos Servidores Públicos, um órgão que não existe.

Os golpistas utilizam como endereço da tal secretaria o do Instituto de Previdência Social dos Servidores Municipais de Santos (Iprev). As carta são dirigidas a servidores da região, de outras cidades paulistas e até de outros estados.

>> Golpe da transferência da conta

Segurado recebeu em casa carta em nome do INSS informando sobre a transferência de seu benefício para o pagamento em outro banco. Mas ele não havia solicitado a mudança de instituição financeira.

>> O que fazer

Se tiver dúvidas sobre revisão ou qualquer valor que tenha pra receber, procure um advogado de sua confiança ou o seu sindicato. No caso de ações de Previdência, os profissionais não cobram consulta.

Os honorários, ou seja, a grana do advogado, são pagos no final da ação e representam um percentual do que você ganhar no processo.

Outra dica: ninguém dá valores de revisão sem analisar dados como data de concessão, salário de contribuição, salário de benefício, entre outros. Se receber em casa uma carta do tipo, procure a OAB para denunciar o caso ou registrar um boletim de ocorrência por tentativa de estelionato.

Também fique atento, porque funcionários da Previdência não ligam para sua casa. Quando há alguma necessidade de te informar algo, ela até pode enviar uma carta. Mas nunca será dizendo que você tem direito à revisão ou pedindo pra que confirme dados por telefone.

Se receber alguma correspondência, ligue para a Central 135 antes de fazer qualquer coisa ou vá a um agência do INSS confirmar as informações.

Nunca aceite empréstimos por telefone. Isso é proibido pelo INSS. Avise sempre o INSS, pela Central 135, ou ligue para a polícia para denunciar o caso.

Fonte: A Tribuna



Compartilhe: